The Doldrums, o nono episódio da terceira temporada, inaugura uma nova fase em Outlander, e os sinais de novos tempos na série vão muito além da nova abertura: a viagem inesperada ao mar em busca de Jovem Ian (John Bell) serviu para revelar facetas desconhecidas dos personagens, e curar relações que estavam estremecidas em terra firme.

Vamos começar essa viagem?

SUPERSTIÇÕES

Um dos pontos centrais do último episódio foi a superstição, aspecto habitual na vida dos marinheiros, explorado de forma muito interessante pelo roteiro.Interessante e inteligente, pois ao escolher mostrar esse lado da vida no navio, não tornaram o episódio tedioso exibindo apenas ações corriqueiras, e o utilizaram como parte da trama e tema de vários diálogos.

Já comentei em uma review anterior (leia aqui) o quanto gosto da diferenças que seus tempos distintos proporcionam à Claire (Caitriona Balfe) e Jamie (Sam Heughan). Diferenças não apenas de valores que variam de época em época, como também, diferenças de crenças. Jamie é mais religioso e supersticioso, enquanto Claire é mais objetiva e realista. Jamie representa a fé como bom católico escocês que é, e Claire representa a ciência como a médica maravilhosa que é. Dessa vez, essa diferenciação foi usada para trazer um tom cômico na relação dos dois, com o diálogo divertido sobre a ferradura do cavalo, e, finalmente, iniciar uma reaproximação do nosso casal.

Aliás, como foi bom ver os bons e velhos J & C de volta! Lembram que comentei na review passada (leia aqui) que os dois precisavam se reencontrar no mar? Eles, neste episódio, lembraram muito o que eram em temporadas anteriores, nos seus melhores momentos, mesclando humor, ternura, cumplicidade e paixão. Adorei todas cenas nas quais eles interagiram, mas, com certeza, a minha favorita, foi a que mencionaram sua filha, Brianna (Sophie Skelton).

Achei de uma sensibilidade maravilhosa – e necessária- citar a filha dos Frasers, para mostrar que Claire não esqueceu dela, mesmo estando com Jamie porque quis. Lamento muito terem cortado, conforme foi relatado no roteiro revelado esta semana, o momento em que Jamie tira as fotos de Bree do bolso e também fala sobre ela.Creio que tornaria a cena ainda mais bonita se mostrasse o quanto ele gostaria de ver a filha. Sim, vou reclamar disso até fim da temporada! rs

“UMA HISTÓRIA CONTADA…

… é uma vida vivida.” Mr Willoughby (Gary Young) foi a estrela desse episódio, e protagonizou umas das cenas mais lindas e com um dos diálogos mais bem escritos de Outlander! Impossível não se emocionar com as palavras do sábio chinês que, com o intuito de interromper a briga no navio, entregou duas coisas que eram demasiado preciosas para ele: sua história e sua vulnerabilidade. Will, como estou chamando ele agora (rs), despiu sua alma em frente à tripulação e teve que se desapegar do seu último vestígio do passado. Agora está pronto para seguir viagem rumo ao futuro, e forjar novas histórias no convés do Artemis.

Mencionei no início do texto que Claire e Jamie representam duas concepções de crenças diferentes. Essa dicotomia fé x ciência foi uma constante neste episódio. Enquanto os tripulantes atribuíram os infortúnios à má sorte, Yi Tien Cho percebeu as transformações climáticas a partir do voo do pássaro, usando conhecimento científico para resolver o caso. Mas também teve um bocado de fé. Fé em si mesmo para conseguir tocar os marinheiros com sua história. E, principalmente, honestidade, mesmo com um truque na manga. Aah a sabedoria e o misticismo orientais…

Vale destacar, além da trilha sonora e fotografia cada vez mais deslumbrantes, o trabalho impecável de maquiagem. Não só envelheceram os personagens como os deixaram mais bronzeados, evidenciando a exposição ao sol e, consequentemente, a passagem de tempo no navio. A produção sempre tem o cuidado de demonstrar a passagem de tempo de forma bem sútil. Outra momento em que isso ocorreu foi o uso de voice over de Claire, que, inclusive, tem sido usado de forma bem pontual e acertada nesta temporada.

ESTAGNAÇÃO

O vento é uma força da natureza que traz consigo vida e/ou devastação. Em alto mar, e especialmente no século XVIII, ele é essencial para seguir viagem e, sem ele, temos estagnação. Confesso a vocês que não conhecia o termo histórico – geográfico “Doldrums”, que, segundo meu amigo Google, significa uma zona de calmaria na região equatorial dos Oceanos Pacífico e Índico, uma região específica e de alta pressão. O termo deu nome ao nono episódio, e ele faz analogia a muito mais que o fenômeno geográfico que vemos acontecer. Ele representa uma metáfora às relações que vimos no Artemis.

Fergus (César Domboy) e Marsali (Lauren Lyle) são o excesso de bagagem vindo diretamente de Lallybroch junto com as roupas parisienses de Claire. Como se não bastassem as estranhezas do próprio relacionamento e o peso de terem perdido Jovem Ian, o casal 20 da Escócia teve de lidar com o mais novo ship da série, o Fersali.

Entendo Jamie não aceitar tão bem a união, em princípio, primeiro por conhecer bem as sapequices de Fergus, e segundo por se tratar, de certa forma, de dois jovem que considera como filhos.No entanto, acho que ambos demonstraram ao ruivo estarem dispostos a ficarem juntos de forma bem honesta. Mencionei anteriormente que Will teve que se desapegar um pouco de sua história para seguir em frente, mas esse fato também pode ser atribuído ao Fergus. Nos dois diálogos que travou com Jamie, o jovem francês pareceu realmente estar apaixonado por Marsali e estar disposto a deixar seu passado de “menage à trois” para trás. Dá uma chance para eles, Jaiminho! Se o fogoso Fergus está verdadeiramente disposto a esperar para consumir seu relacionamento com a Miss Mackimme, é porque ele deverás gosta dela e deixou a vida boêmia no passado.

Ainda no tema estagnação, temos outro relacionamento mal resolvido e espinhoso. Claire e Marsali têm todos os motivos do mundo, de ambos os lados, para se estranharem.Contudo, fiquei positivamente surpresa que a mini discussão entre elas tenha tinha tido um tom mais cômico do que verbalmente violento.Porém, se elas realmente chegarem a se acertar, creio que teremos que esperar um pouco mais. Gosto muito do jeito afrontoso que a Marsali encara todo mundo, até mesmo o pai Jamie, sem medo e com personalidade. Ela e Fergus se já aprontam juntos, imagine juntos!

The Doldrums foi um episódio surpreendentemente positivo para mim, que imaginava, como o próprio título já anunciava, muita calmaria com poucos acontecimentos. Estava certa em relação ao lado tranquilo, mas fui gratamente surpresa com os diálogos inesquecíveis e com os aprendizados que adquiri. Obrigada, senhor Willoughby! E boa sorte, Claire, que mais uma vez se separou do mozão e vai ter que encarar muitos desafios no navio inglês Porpoise. Que o azar, no episodio que vem, finalmente esqueça um pouco do nosso querido OTP. E que nós, brazucas, tenhamos a sorte de quebrar o twitter novamente semana que vem, mas dessa vez sem legenda pornô 🙂

Quer saber mais sobre OUTLANDER? O blog Universo Yin faz PODCASTS semanais sobre os episódios da série! Corre lá para conferir posts e podcasts sobre essa e outras séries, além de filmes, livros e música! 

 

 

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook
Twitter
YouTube
INSTAGRAM