Olá pessoal. Aqui é Roberta e eu vou substituir a Mariana no review de This Is Us por alguns episódios, mas não se preocupem, ela volta logo logo. Certo, Mariana?

E é temporada de neve e catapora no episódio 3×04 – Still There. Na linha temporal dos anos oitenta vemos um dia da família Pearson, com Jack e Rebecca lidando com a catapora coletiva dos filhos e com a chegada de ninguém mais ninguém menos do que a mãe da Rebecca. Quase aquela cujo o nome não deve ser mencionado. E essas são com certeza as melhores cenas do episódio, vimos por que Rebecca fica tão descontável com a presença da mãe e vemos até um momento de clareza seu. Sua mãe é crítica demais, elegantemente indelicada, mas Rebecca consegue dar um basta quando isso chega e afeta os seus filhos, principalmente Randall. A mulher tem o dom de encontrar e trabalhar cada ponto fraco dos netos, mas é com Randall que ela vai além. O quase desprezo que ela sente pelo neto adotivo fica mais evidente quando eles são obrigados a passar um dia trancados em casa e o real motivo faz Rebecca sair em defesa do filho. A cena em que Jack e Rebecca explicam para o pequeno Randall que racismo pode sim ser velado, que ele não precisa ser direto agressivo para machucar é uma das melhores do começo da temporada.

 

 

Já o Randall adulto está penando para conseguir se conectar com Deja e acaba deixando passar no processo que antes disso algo muito importante precisa vir, ainda mais com uma menina como ela, a confiança. Deja não viveu a infância que ele viveu, ela tem dificuldades em aceitar que um adulto queira sua afeição em troca de nada. E quando Randall fica agressivo na frente dela ele só afasta a adolescente. Quase surtei quando tentando fazer contado ele desfaz a confiança que Beth tinha conseguido estabelecer com Deja. Randall continua tropeçando em si mesmo.

Alias, precisamos falar sobre Beth. Que mulher maravilhosa! Que homem de sorte é Randall por tê-la ao seu lado. Não sei vocês, mas eu digo a mim mesma “queria uma amiga como a Beth” em todas as cenas dela. Beth é gentil, sensível, forte, justa, daquele tipo de pessoa que acalmaria um turbilhão só com a sua presença. Meu coração apertou quando ela viu que seu progresso com Deja tinha sido desfeito. Não magoem a Beth roteiristas!

 

 

Kevin por outro lado é um personagem que me deixa em conflito. Eu já tinha embarcado no fato de que ele seria o alivio cômico da série, da família Pearson, tendo as tramas mais leves. Ai resolveram episódio passado aprofundá-lo e eu embarquei também apesar da mudança. Só que no momento eu gostaria que voltasse ao que era antes, não quero mais brincar de ser sofrido com ele. Kevin em busca da maturidade emocional e profissional do inicio da primeira temporada, era isso que eu queria ver, mas agora vemos um homem de trinta e sete anos se comportando como o adolescente da linha temporal 90’s.

Compreendo que ele esteja vendo seu sonho se afastar mais uma vez, mas entendo que no momento seu maior inimigo seja ele mesmo, não o joelho estourado. Ás vezes parece que falta a ele um pouquinho de inteligência para lidar com as coisas. E se eu precisei concordar com Toby, Kevin está passando dos seus limites físicos e vai colocar tudo a perder sem precisar, a coisa é grave. Não é como se ele estivesse a ponto de perder seu papel ou a carreira e mesmo assim ele prefere forçar e depois se afundar nos analgésicos. Ver os vídeos do pai em que ele grita e comemora a força e talento do filho não é desculpa para tudo isso, ainda mais tendo no pai o exemplo do que o vício pode fazer com uma pessoa.

E já falei que Toby está no episódio, né? Certo! Pois bem, ele voltou e mais uma vez se transformou num obstaculo na vida da Kate em vez de um apoio. As cobranças que ele faz todas as vezes que Kate está obstinada a manter um cronograma me irrita demais. Ele mais do que ninguém deveria saber o quão importante para ela perder peso e não é só sobre aparência, mas pela sua saúde.

Ainda bem que assim como Kate eu caguei pro blábláblá do Toby e embarquei nessa. E terminei o episódio com um grande sorriso no rosto. Kate passou o episódio todo numa outra vibe, numa frequência completamente diferente dos outros personagens e foi lindo descobrir no final o motivo. Que todo seu esforço era não só pra emagrecer, mas pra se manter saudável para segurar o bebê que estava esperando. Venho gostando muito mais da Kate nessa segunda temporada, ela está mais madura, vendo o mundo com mais clareza e não surtar assim que descobriu que estava grávida já é um grande progresso. Se manter calma e controlada para ficar bem me deixou orgulhosa.  E será interessante ver o que vem por ai.

A família Pearson vai aumentar! <3

 

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook
Twitter
YouTube
INSTAGRAM